Sábado, 7 de Novembro de 2015

Percursos e Aprendizagens

Caminhos da Cal e do Barro

 

A Domus Mater encontrou a Barroca e a sua ideia de turismo sustentável que procura dar a conhecer um outro olhar sobre o Barrocal, este lindo « terroir » entre a serra do Caldeirao e a Costa Algarvia.

A sua co-criadora, Susana C. Martins escreveu a sua tese, consultável na biblioteca do Pólo de Gambelas da Universidade do Algarve, sobre  «A Cal na Tradiçao do Barrocal Algarvio. Contributo para a história da produção de cal artesanal ».

face.jpg

 

 

A Barroca - produtos culturais e turísticos, incentiva a preservação do conhecimento de materiais /matérias-primas e técnicas decorativas e outros temas e relança aspetos da cultura algarvia na atualidade.

Para já, podemos conhecer o primeiro produto desenvolvido por este projecto, a rota Caminhos da Cal e do Barro, sob a forma de ateliers e sobretudo de visitas interpretativas, através de percursos pedestres orientados (meio dia ou um dia)  a lugares, pessoas e histórias do passado recente. Os temas abordados são tão diversos quanto a descoberta de alguns materiais de construção tradicionais, a caiação, a pintura com tintas naturais, a técnica dos esgrafitos, a modelagem de barro; ou ainda temas complementares como a astronomia, a botânica e a fotografia.

 

Pedidos de informação e inscrições podem ser solicitados através do endereço caminhosdacaledobarro@gmail.com ou do telefone 964 782 462.

A Barroca costuma marcar presença no Mercado de Querença, que acontece no último domingo de cada mês.

Esta iniciativa encontra-se em desenvolvimento e, enquanto aguardamos pela finalização do website, podemos seguir as suas actividades em: https://www.facebook.com/barroca.tourism/.

 

 

Enquanto aguardamos condições para melhor defender o que é a vontade coletiva na preservação das paisagens naturais e construtivas, devemos relembrar a tradição caleira nos nossos territórios. Fica o apontamento seguinte, os saberes fazer que utilizavam a cal são diversificados, encontramo-lo-os em cada região, exemplos de uma autonomia total que vai da extração à cozedura e à aplicação e desenvolvendo profissões que se ensinavam oralmente e gestualmente. Foram ou serão os « construtores » da sustentablidade tanto procurada nos nossos dias?

 

publicado por domusmateR às 09:46

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Journée "matériaux terre ...

. O Tabique - 3 de Novembr...

. O Adobe

. Associação Centro da Terr...

. Oficina de Tabique e Arga...

. Pràticas vizinhas

. Descoberta de técnicas tr...

. Praticas da Arquitetura. ...

. Construção Natural em Tai...

. BOAS FESTAS

.arquivos

. Novembro 2017

. Maio 2017

. Março 2017

. Novembro 2016

. Junho 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Abril 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Janeiro 2014

. Novembro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Fevereiro 2013

. Outubro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds