Sábado, 28 de Janeiro de 2012

Ano Novo, vamos fazer renascer a caiação como prática sustentável!

 

 

É necessário renovar as caiações para que estas possam assegurar a função protectora dos rebocos e consequentemente das alvenarias. Embelezando de branco puro ou de notas de cor conseguidas com pigmentos.

As pinturas para o exterior que utilizam os pintores contribuem para a degradação das paisagens urbanas sobretudo nos cascos antigos dos aglomerados. Após uns anos a tinta começa a desagregar-se, a razão é compreensível: ao intervir nas alvenarias anteriores à hegemonia do cimento, ou seja as paredes feitas até aos anos 50-60, deve considerar as trocas de vapor de agua, como a a nossa pele, estas devem respirar. Ora a tinta plástica ou os rebocos de cimento formam uma película impermeável incompatível, danificando quer o aspecto quer a sua integridade.

No mercado existem dois tipos de tinta que poderá aplicar e mais difícil que tudo, deverá convencer o seu pintor a usá-las! Comece por saber o quer e procure alguém que seja sensível à reabilitação.

Uma das tintas compatível com velhas paredes/rebocos é a tinta de silicato, onerosa mas durável e a outra a tinta feita de cal aérea em pedra, cuja receite encontra no post abaixo.

 

Relembrando algumas vantagens da CAL:

  • Versátil, natural e biodegradável.
  • Sólida, protege as superfícies das intempéries.
  • Respirante e permeável.
  • Tem propriedades anti bactericidas, elevado teor em alcalinos.
  • Provém de uma matéria-prima existente em abundância.
  • Economicamente, é uma solução viável.
  • Tem elevado valor patrimonial.
  • Utiliza saberes fazer ancestrais.
  • É adaptado para a renovação e para a construção sustentável.
  • Em rebocos dispensa o uso do cimento, responsável por uma das maiores indústrias poluidoras.
publicado por domusmateR às 15:17

link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

Para fazer a tinta de cal

Adaptada a todas as superfícies feitas de terra crua ou tijolo, rebocos de terra e de cal aérea (diferente da cal hidráulica), rebocos antigos e anteriores caiações. Aplica-se todos os anos mas pode durar 20 anos se bem feito. Se quiser ter a certeza de que é de cal que a sua parede é revestida, então prove: isto é coloque a ponta da língua e teste. Se o gosto da parede for a sal ou a açúcar é porque se trata de cal!

 

Deverá prever:

-um primário no caso de a parede ter sido pintada com outro tipo de tinta ou a remoção da tinta anterior

- tempo para deixar repousar a pasta de cal (na tradição um ano, idealmente pelo menos  3 meses)

- pedras de Cal Viva , 1 kg. permite caiar aproximadamente 10 m2 em duas demãos

- água limpa sem salinidades e se possível sem cloro, 5 l. de agua por cada kg.

- um ou vários baldes metálicos ou de madeira (a cal viva ferve a 300ºC derretendo o plástico!)

-  a preparação do suporte/ parede*

- ajustes na receita - os valores são indicativos, pois entram em linha de conta a absorção e a porosidade da parede e a qualidade da cal viva (origem, cozedura).

-pincel de caiar e pigmentos como o óxido de ferro, o ocre e o azul ultramarino à venda nas drogarias. Pode ainda arranjar terras que coloram, as mais conhecidas de Siena ou a terra queimada.

 

*com uma espátula larga raspe toda a superfície para eliminar o que da anterior caiação não está consolidado e passe a vassoura para despoeirar

 

Outros cuidados:

- Se a parede tiver "verdete" ou fungos lavar com lixivia. 

- Deverá molhar a parede antes de caiar (balde de água e vassoura ou mangueira) e não caiar ao sol , para além de que acima dos 20ºC não se garantem os resultados.

- Proteja os olhos com óculos, as mãos e os cabelos pois a caiação salpica muito, sobretudo no inicio! È essencial prevenir o risco de queimaduras, pois a cal mesmo extinta é corrosiva! Tenha água à disposição rapidamente para lavar algum incidente.

 

Como proceder:

3 meses antes:

- Junte 3 kg de pedras de cal viva num balde de 20 l. deite 15 litros de água e afaste-se dos gases, ao fim de 20 minutos mexa com um pau.

Deixe estar 3 meses, tenha o cuidado de colocar o balde à sombra num lugar fresco e acima dos 8ºC e de verificar que está coberto por uma película de água.

uns dias antes:

-Separe a pasta em dois e junte água até obter a consistência da tinta que pretende, será tanto mais rica em hidroxido de calcio quanto mais tempo terá. Saiba que quanto mais grossa mais difícil de aplicar. Peneire com uma rede fina metálica ou plástica. Está tudo pronto para começar!

 

-Tenha em conta que a tinta demora a secar e o resultado é visível após algumas horas. Aguarde 24h. entre demãos, não serve de nada de caiar duas vezes de seguida.

- Caiar como na tradição implica fazer os movimentos na vertical, em tudo o caso espalhar com vigor e "esticar" bem a tinta após encher generosamente o pincel.

- Se quiser aplicar óxidos para a colorir a tinta é possivel, contudo, teste antes pois a cor definitiva só é visível após a secagem total, as surpresas acontecem, prepare-se! Para além de que deverá fazer de uma só vez toda a tinta pigmentada, sendo impossível refazer a mesma cor duas vezes!

É mais difícil caiar com cor, dada a transparência da tinta, passe uma única vez o pincel. Colocar na tinta no máximo 20 % de carga de pigmento, dissolva antes o pigmento num pequeno boião com um pouco da agua de cal, conhecido por leite de cal antes de juntar a cor no balde principal.

 

Ao secar a cal aérea que extinguiu, carbonata, mutando a sua estrutura molecular para se tornar CaCo3, mais conhecido por calcário.

Pode fazer as demãos que entender, duas é suficiente no caso de uma parede em bo estado.

Esta é a magia da cal!

 

publicado por domusmateR às 15:03

link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Journée "matériaux terre ...

. O Tabique - 3 de Novembr...

. O Adobe

. Associação Centro da Terr...

. Oficina de Tabique e Arga...

. Pràticas vizinhas

. Descoberta de técnicas tr...

. Praticas da Arquitetura. ...

. Construção Natural em Tai...

. BOAS FESTAS

.arquivos

. Novembro 2017

. Maio 2017

. Março 2017

. Novembro 2016

. Junho 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Abril 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Janeiro 2014

. Novembro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Fevereiro 2013

. Outubro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds